XpK

05/12/2010

Audax 200km Completado

Filed under: Planeta — XpK @ 08:19

Quando fiz o Audax em Abril, uma chuva no meio da tarde ajudou a refrescar o ambiente.
Neste Audax, não houve chuva senão até a Noite, quando já tinha terminado o percurso.

Nos primeiros 50 km consegui manter uma boa velocidade, estava meio nublado, e com as pernas inteiras. Mas estava sem água, apenas algum suco de laranja que peguei no hotel.

Ao chegar ao primeiro Checkpoint, abasteci as caramanholas, 1 litro de água e 700 ml de isotônico. Apliquei também bastante protetor solar. Aproveitando a parada, bebi uns 2 copos grandes de isotônico e comi uma banana.

Nos seguintes 50km, o sol apareceu, com tudo. Bebia mais isotônico (morno), pois a agua (morna) usava para molhar a roupa.

Ao completar o km 80, parei num posto de combustível abandonado, tinha acabado a agua, e o sol continuava implacável.

Enchi as garrafas com agua de torneira, já nao para beber, mas para continuar molhando o corpo.

Comecei a consumir barras e gel energetico, mas nesse calor o rendimento da pedalada caiu bastante.

Chegando ao segundo checkpoint, aos 100km, abasteci totalmente as garrafas, de novo, molhei a roupa e comi umas 5 bananas e uma maçã. Não enrolei muito e saí para mais um trecho de 50km.

O sol se manifestou ainda mais potente. Um dos participantes, com termômetro no relógio de pulso avisava que a temperatura nesse sol, no asfalto quente, era de 44 graus (porque a temperatura medida pela meteorologia é à sombra).

O pior veio do km 130 ao 140.

Subidas quilometricas. Avançando lentamente, já sem a brisa da velocidade batendo no rosto.
A água não durava nada. Parava em postos para pegar mais.
Parava à sombra de viadutos para tentar refrescar e consumir mais gel e barrinhas. Nessa altura da situação, já não conseguia comer pedalando.

Pouco antes do Checkpoint 3, algumas descidas deram um novo animo.

Molhado, abastecido, e animado, deixei o checkpoint, mas desta vez sem força física. Com constancia conseguia vencer as ladeiras, e descansava, já sem pedalar, nas descidas.

O sol começou a cair e as sombras dos eucaliptos à beira da estrada começaram a ajudar.

O canto do cisne, o último gás para terminar a prova. Descidas compridas onde atingia velocidade, sem pedalar muito.

Mas na sujeira do acostamento, muitas pedras, que pulavam violentamente ao ser atropeladas a 50 por hora. Uma delas furou minha camara dianteira aos 195km.

Troquei rapidamente, só para perceber que a minha nova camara veio rasgada no pacote.
Tirei, coloquei uma nova e o bico dela estava torto, nao segurava o ar.
Não tirei, mesmo tendo mais uma camara.Desentortei manualmente e dei um jeito de colocar alguma pressão com a bomba manual.
Com o pneu 80% cheio, continuei, com muito cuidado por mais 11km até a chegada, no km 206.
Após uma longa pausa, fui à rua turística de Holambra, comer um cachorro quente holandes, o Didan, e mais uma espécie de torta de amoras, o Vlaai.
A melhor refeição desde o último Audax.

04/12/2010

Junbi Taiso às 4 e 45

Filed under: Planeta — XpK @ 04:16

Bom, acordei cedo, umas 4 e meia da manhã. Tendo nada para fazer, fiz um pre-aquecimento.
Aproveitando que o lugar é legal, fiz uma caminhadinha na grana, alongamento e alguns exercicios extraidos do Junbi taiso do Aikido, Karate, Shintaido, ou pelo menos o que lembro deles.
Logo, uma ducha fria.
Estou revigorado
As 6 tomarei o cafe da manhã para largar às 7 no Audax.
Espero ter a oportunidade de atualizar o twitter no decorrer do evento.
http://twitter.com/xupakavraz

03/12/2010

Algunas explicaciones en español

Filed under: Planeta — XpK @ 19:28

A los chilenos que lean: Holambra es una ciudad muy chica, a unos 150 km al noroeste de Sao Paulo. Es conocida como la ciudad de las flores.
Su nombre es la conjunción de Holanda y Brasil, ya que esta region recibió gran influencia de los inmigrantes holandeses y sus plantíos de flores.
En tamaño y estilo, se parece a Puerto Varas, y aqui podemos apreciar ricos dulces holandeses.
El Audax es una prueba deportiva no competitiva, donde hay, en esta primera etapa, 13 horas para recorrer 200km sin utilizar motor ni ayuda externa. Obviamente. las bicicletas son utilizadas por casi todos los participantes, a pesar que a veces aparezca uno u otro patinador. La distancia (y el tiempo) aumenta progresivamente en las etapas siguientes,
El origen de esta práctica es francés, y la prueba más importante es Paris-Brest-Paris, de 1200km.
Se acostumbra decir que quien participa del Audax es un Randonneur.

No onibus para Holambra

Filed under: Planeta — XpK @ 18:58

Saí apressado do serviço, pois tinha 45 minutos para percorrer do Metrô Brigadeiro à Rodoviária Tietê.
Pedalando a bicicleta que utilizarei no Audax (Mospeada*) foi fácil e rápido chegar no terminal.
Uma agradável surpresa foi coincidir no mesmo ónibus que o célebre e lendário Marcio Campos. Agora tenho a melhor companhia para percorrer os 7 km que separam o trevo de Holambra (onde vamos descer) e o Hotel das Flores, onde vou pernoitar.
Já acomodado na poltona do ônibus, aproveito o bom e velho Nokia 9500 para redigir este (e os próximos) post sobre o Audax em Holambra.
É isso. Agora, a contemplar a paisagem.

*M.o.s.p.e.a.d.a.: Military Operation Solder Protection Emergency Aviation Dive Armor. Nome extraido do animê Genesis Climber Mospeada, atribuido a minha bicicleta speed, que ganhei do meu pai no natal passado.
Mospeada é uma Bianchi Corsa, não da Itália, mas do Chile, onde é equivalente à Caloi 10.
A Bianchi Corsa é uma speed de baixo custo que utiliza transmissão de MTB (Shimano TZ-30) e umas alavancas muito características, Shimano A-050.

Pronto para os 200km do Audax

Filed under: Planeta — XpK @ 18:36

O Audax é amanhã, e espero não repetir os erros do passado (Audax 200k de Março e Claro 100k de abril).
Da minha Mountain Bike (AKA Caveirão) peguei o clipe de guidão (aero bars) e um suporte duplo para caramanhola de selim, onde consigo levar 2 x 500 ml de água. Na caramanhola do quadro, de 700ml levarei isotônico.
Dispensada a mochila de hidratação, para liberar as costas, minha bagagem ficará distribuida em 3 lugares:
Bolsa de guidão, com capa de chuva, planilha de rota, protetor solar,dinheiro, celular e camera fotográfica.
Bolsa no quadro, com sachês de gel energético e barrinhas de maltodextrina, e mais algumas nozes.
Bolsa de selim, para quando algo não der certo, com ferramentas, camaras, remendo, band-aid gigante (cotovelos e joelhos).
O restante da bagagem, que nao carregarei ao pedalar mas ficara no hotel, consiste numa pequena mochila com bone, camiseta, bermuda, papeete e uma pequena toalha.
Sendo assim, posso dizer que estou pronto para os 200 km do Audax em Holambra.

Blog no WordPress.com.